The Shadow Hunter

The Shadow Hunter
Keep it Simple

terça-feira, 20 de janeiro de 2009

Três vezes Bella

Bella.

Bella morava em uma casa pequenina, no meio de uma

floresta encantada. Ela passava os dias sempre sozinha.

Andava, caçava, comia e mais nada.
Foi quando então num belo dia comum, depois de um passeio

para colher frutas comuns, andou, andou, voltou e sua casa

tinha sido encendiada. Olhou, berrou, chorou, mas de nada

adiantava. O fogo apenas cinzas deixou e o vento então delas

se encarregava.
O que fazer, Bella pôs-se a perguntar?
Mas para onde iria se a casa que conhecia era seu unico

lugar?
Bella, pensou, pensou, olhou e partiu.
Qualquer destino é caminho se não sei para onde estou indo,

pensou.
Depois de muito andar ela encontrou uma casa pequenina.

Aquilo era muito estranho, pois era uma casa igual a sua. O

jardim era igual ao seu. As luzes, lá dentro, estavam acesas.

Então no terreno pequeno ela adentrou. Caminhou devagar

até a pequenina janela. Lá dentro havia móveis iguaizinhos

aos dela, arrumadinhos, assim como os dela.
Numa poltrona, ao fundo, encostada na parede, havia uma

pessoinha pequenina. Os cabelinhos eram loirinhos e

penteados assim como os dela. Os sapatos vermelhos com

tiras prateadas eram como os dela. Ela lia um livro de capa

vermelha, assim como o dela.
Bella olhou, parou, franziu, e ficou perplexa. Era ela

a pessoinha, sentada ali sozinha do outro lado da janela.
- Mas como posso eu estar lá, se me vejo de cá, sendo-me

claro assim saber que eu estou aqui?
Bella achou que aquilo tudo era coisa macabra. Enquanto

observava, a menina la de dentro resolveu se mexer. Bella

ficou assustada e assim, então, resolveu se esconder. Foi para

uma moita qualquer, junto a cerca do jardim. Assim, sem

nem um pio sequer, observou o que viria a seguir.
A mocinha lá de dentro saiu pela porta. Ela levava uma

cestinha para frutas assim como a de Bella. Caminhava

saltitante assim como Bella.
Depois de alguns minutos. Quando a menina já havia sumido

pela floresta, Bella levantou e ateou fogo àquela casa casa

para depois fugiu desesperada.

Depois de algum tempo, depois de muito andar por entre as

árvores, chegou bem perto de uma clareira. Olhou de longe e

vou denovo outra casinha, igual à que acabara de colocar

fogo, igualzinha à sua casa original. Na porta desta estava

outra menininha, olhando absorta através da janelinha, assim

como ela fizera antes de atear fogo nos pés da sacada. Bella

então correu e gritou até quando a menina da janela virou e a

olhou, até quando a outra menina saiu de dentro da casa.

Todas então se olharam, umas nos olhos das outras e não

viram nada. Tudo que sabiam, tudo o que viviam naquele

instante se dissipava. O tempo passou e elas três ali ficaram

paradas se olhando eternamente. Assim, mesmo quando a

morte as tocou, seus olhares não mudaram. Mesmo depois de

eras, elas permaneceram ali intactas. Ficou então assim

escrito que aquela que era três vezes Bella perdeiria a noção

de si mesma quando pudesse ver em seus próprios olhos a

sua verdadeira beleza.

Um comentário:

Adda Dias Braga disse...

"Qualquer destino é caminho, se não sei para onde estou indo..."

GOSTEI. Bjs.